Nozes brasileiras

generalidade

As castanhas brasileiras (ou Brasil) são as sementes comestíveis produzidas pela árvore Bertholletia excelsa .

Árvore de Nozes Brasileiras - Bertholletia excelsa

A família botânica desta planta (Lecythidaceae) cai na ordem Ericales, o mesmo que: cranberries, blueberries, sapote, guta-percha, chá, groselha, phlox e caqui.

As castanhas-do-brasil têm uma casca não comestível e são colhidas do centro de uma fruta grande, semelhante a coco.

Recursos Nutricionais

As castanhas brasileiras são alimentos normalmente classificados em toda a fruta seca, ou melhor, sementes oleaginosas.

Eles não pertencem a nenhum dos 7 grupos básicos de alimentos, mesmo que por suas características nutricionais devam fazer parte da quinta categoria, a das gorduras e óleos temperados.

Obviamente, a função das castanhas brasileiras não é "temperar"; no entanto, essas frutas revelam algumas propriedades químicas quase sobrepostas:

  • Eles trazem muitas calorias: 656kcal / 100g
  • Eles têm uma prevalência de gorduras em proteínas e carboidratos: 66.4g / 100g de parte comestível, ou cerca de 85% do total de energia
  • Eles contêm várias vitaminas lipossolúveis.

Em relação ao peso, as nozes brasileiras fornecem:

  • ca 66% de gordura
  • cerca de 14% de proteínas
  • cerca de 12% de açúcares.

Os ácidos graxos são divididos da seguinte forma:

  • 23% saturado: 15.1g / 100g (são os "maus")
  • 38% monoinsaturados: 24.6g / 100g (especialmente ômega 9. Estas são as "boas gorduras", semelhantes às do azeite extra-virgem)
  • 32% poliinsaturados: 20, 6g / 100g (são "muito bons", dentre estes, destacam-se as concentrações da molécula essencial ômega 6).

Devido ao alto teor de ácidos graxos poliinsaturados, as castanhas brasileiras não são muito conserváveis ​​e tendem a se ranchar facilmente.

Eles não contêm colesterol e fornecem uma excelente quantidade de fibra dietética; 100g destas sementes podem cobrir até 25% das necessidades de fibra para um adulto médio (30g / dia).

Nem sequer desaponta a concentração em vitaminas e minerais. A vitamina mais solúvel em água é a tiamina (vitamina B1), enquanto entre as vitaminas lipossolúveis o conteúdo de vitamina E (tocoferóis) se destaca. No que diz respeito aos sais minerais, no entanto, as concentrações de magnésio, fósforo, manganês, zinco e selênio são destacadas.

As castanhas brasileiras são um alimento muito calórico, por isso não são consideradas adequadas para a dieta com excesso de peso. Por outro lado, fornecem muitos nutrientes úteis para o corpo e podem ser incluídos na dieta do diabético tipo 2, do hipertenso, do hipercolesterolêmico e do hipertrigliceridêmico.

Eles não contêm glúten e lactose, mas eles podem ser muito prejudiciais no caso de uma alergia específica.

A porção média de castanha do Brasil não deve exceder 30g por dia, melhor se dividida em pelo menos dois salgadinhos (secundários).

Para não exceder a gordura total, alterando o balanço nutricional da dieta, é aconselhável calibrar a quantidade de óleo de tempero de acordo com a porção das sementes oleaginosas. Por exemplo, remover uma colher de chá para cada noz brasileira a ser consumida (1 nogueira = 1 colher de chá de óleo).

Composição quimicaValor por 100g
Parte comestível100%
água- g
proteína14, 32g
Aminoácido limitantetriptofano
Lípidos totais66, 43g
Ácidos graxos saturados15, 14g
Ácidos graxos monoinsaturados24, 55g
Ácidos graxos poliinsaturados20, 58g
colesterol0, 0mg
Carboidratos disponíveis12, 27g
amido0, 25g
Açúcares solúveis2, 33g
Fibra total7.5g
Fibra solúvel- g
Fibra insolúvel- g
Ácido Fítico- g
bebida0.0g
energia656, 0kcal
sódio3, 0mg
potássio659, 0mg
ferro2, 43mg
futebol160, 0mg
fósforo725 mg
magnésio376, 0mg
zinco4, 06mg
cobre- mg
selênio1917, 0μg
tiamina0, 62mg
riboflavina0, 04mg
niacina0, 30mg
Vitamina A retinol eq.- μg
Vitamina C0, 7mg
Vitamina E5, 73mg
Piridoxina (B6)0, 10mg
folato22, 0μg

Óleo de Nozes Brasileiras

A abundância lipídica das castanhas brasileiras possibilita obter um óleo alimentar.

Esta gordura de tempero contém 75% de gorduras insaturadas (monoinsaturadas e poliinsaturadas), entre as quais o ácido oleico (ômega 9) e o ácido linolênico (ômega 6) são abundantes.

Outras moléculas lipossolúveis contidas no óleo de castanha do Brasil são:

  • Fitoesteróis: esteróis vegetais hipocolesterolêmicos
  • Beta-sitosterol: com a mesma capacidade hipocolesterolêmica que a anterior e com uma hipotética função preventiva para hipertrofia benigna da próstata.

    NB Esta molécula também é investigada para o link estatístico com o agravamento da doença cardíaca.

  • Tocoferóis ou vitamina E: antioxidante, anti-trombótico e protetor das membranas celulares.

A tabela abaixo fornece os detalhes nutricionais da composição de ácidos graxos do óleo de castanha do Brasil.

ÁCIDO DE GRAXAPERCENTAGEM NO ÓLEO DE BIO-NUTS
Ácido palmítico16-20%
Ácido palmitoleico0, 5-1, 2%
Ácido esteárico9-13%
Ácido oleico36-45%
Ácido linolênico33-38%
TOT de gordura saturada25%
Gordura insaturada TOT75%

NB A conservação do óleo de castanha do Brasil deve ocorrer:

  • Fresco
  • No escuro
  • Em recipientes herméticos
  • Em cada bicicleta, por um tempo limitado.

Riscos Alimentares

As castanhas brasileiras não são muito conservadas.

Além do risco de rancidez (também marcado pelo óleo obtido a partir dele), sua tendência a contaminação por mofo é conhecida.

Esses patógenos secretam toxinas que são muito perigosas para o organismo humano. Os princípios de envenenamento (chamados aflatoxinas ) têm um efeito hepato-tumoro mais do que significativo e predispõem o organismo ao carcinoma do fígado.

A castanha do Brasil também contém pequenas quantidades de rádio, um elemento radioativo. A concentração atinge cerca de 40-260 Bq / kg *, o que é 1.000 vezes mais do que a maioria dos alimentos. Segundo as "Universidades Associadas de Oak Ridge", esse fenômeno não se deve ao rádio presente no solo, mas à considerável extensão do sistema radicular.

produção

Cerca de 20.000 toneladas de castanha são colhidas todos os anos; destes, 50% são da Bolívia, 40% do Brasil e 10% do Peru.

A produção de castanha pelo Brasil está diminuindo. No final de 1980, a quantidade chegou a 40.000 toneladas, enquanto em 1970 chegou a 104.000 toneladas.

A produção de castanhas brasileiras é o resultado do cultivo e exploração de plantas silvestres. Este último sistema tem sido promovido como fonte de renda para a floresta tropical que, ao invés de destruí-la, constitui uma proteção protetora contra o desmatamento.

curiosidade

As castanhas brasileiras são um ingrediente comum em lanches de frutas secas, onde, devido ao seu grande tamanho, elas tendem a permanecer altas na sacola. É uma forma de convenção granular que leva o nome de "Efeito Nuts Brasileiro".

Recomendado

Drogas contra a psoríase
2019
Sovaldi - sofosbuvir
2019
Doença de Alzheimer: prevenir com exercício mental
2019