Doença Patológica Do Ventre

A dor de estômago é um sinal de alarme enviado pelo corpo, um pedido de ajuda para avisar que algum mecanismo metabólico se descontrolou.

Dor patológica da barriga

A dor patológica da barriga distingue-se da sua forma comum pelo perigo da desordem, a intensidade da dor e os sintomas "satélites" (acompanhando).

Embora a dor abdominal comum seja frequentemente resolvida por si só, sem necessariamente intervir com drogas ou tratamentos médicos, a forma patológica requer testes diagnósticos específicos e mais complexos e terapias farmacológicas ou cirúrgicas.

Quando a dor de estômago está sujeita a patologias graves, como apendicite, a prontidão da cirurgia (cirúrgica, neste caso preciso) afeta fortemente o prognóstico do paciente, ou o resultado final: uma apendicite não tratada pode gerar peritonite, até a morte.

diagnóstico

Uma dor de barriga "suspeita" requer uma investigação completa (a ser realizada o mais rápido possível) por meio de testes diagnósticos como sangue, urina e fezes, tomografia computadorizada, colonoscopia ou sigmoidoscopia *, ultrassonografia abdominal, radiografia abdominal e enema opaco. **.

Para entender ...

* Sigmoidoscopia: teste diagnóstico destinado a explorar visualmente o ânus, o reto e o sigmoide por meio de uma sonda flexível introduzida através do orifício anal

** Clisma opaco: teste radiológico do intestino grosso, favorecido pela introdução retal de contraste

causas

Mas o que pode causar dor de estômago "patológica"?

Os distúrbios múltiplos e variados escondem-se abaixo de uma dor de estômago "simples". As seguintes são as doenças mais frequentes relacionadas à dor patológica da barriga:

  • APÊNDICES : a dor abdominal do apêndice distingue-se pela particular intensidade e ferocidade com que se manifesta. A dor é bem localizada no quadrante abdominal inferior direito e o paciente percebe dor anormal "anormal". A alteração térmica é outro sintoma que sempre apóia a apendicite: em particular, a febre medida pela via anal parece muito maior que a temperatura medida sob a axila. Apendicite também pode causar diarréia, inchaço e inchaço abdominal.
  • CÁLCULOS RENAIS / CÁLCULOS COM A CISTIFELLEA : a dor abdominal, sempre acirrada, espástica e aguda, é acentuada durante a micção, entre outras coisas dificultada pela passagem de possíveis cálculos pelo ureter. A dor abdominal é frequentemente acompanhada por hematúria (sangue na urina), febre, hipotensão, sudorese intensa, náuseas e vômitos.
  • COLECISTITE (inflamação da vesícula biliar) : a dor de estômago devido à colecistite é circunscrita à região superior direita do abdômen e piora com a palpação (por esse motivo, o diagnóstico diferencial com a dor abdominal no apêndice é necessário). A dor abdominal é, neste caso, acompanhada de febre, icterícia, perda de apetite, vômitos e sudorese.
  • DIVERTICOLITE : dor no estômago é uma constante na forma de diverticulite avançada. Precisamente, a dor de estômago é cólica e é acompanhada por descargas de diarréia ou constipação e febre. O diagnóstico diferencial entre dor abdominal decorrente de diverticulite e dependente de apendicite ou colecistite é relativamente simples, uma vez que a dor - apesar de intensa e intensa - está concentrada no quadrante inferior esquerdo do abdome.
  • INFETTO : às vezes, uma dor abdominal muito particular pode antecipar um ataque cardíaco. Nestes casos, a dor de estômago se espalha ainda mais, causando dor de estômago e dor no peito. O ataque cardíaco pode aparecer sob diferentes formas; portanto, quem estiver predisposto, deve respeitar todos os dispositivos possíveis para prevenir uma patologia tão séria.
  • INFECÇÕES DOS TRAÇOS URINÁRIOS (por exemplo, cistite): sob tais circunstâncias, a dor patológica da barriga incorpora a queima do trato urinário, acompanhada pela dificuldade em expelir a urina. Mais do que um sintoma característico, a dor de estômago é, neste caso, um reflexo do estímulo urinário, dificultado pela infecção em curso. A antibioticoterapia direcionada é necessária para prevenir efetivamente a infecção e os sintomas relacionados.
  • DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS (doença de Crohn, colite recto-ulcerativa, colite isquémica, etc.): a dor de estômago é bastante generalizada e envolve frequentemente o estômago. As doenças intestinais inflamatórias associam dores abdominais com sintomas secundários como vômitos, diarréia, fezes com sangue, tenesmo retal, inapetência e mucorrreia (presença de muco nas fezes). A dor de estômago que depende dessas patologias é um sintoma vago e genérico, difícil de associar (pelo menos de imediato) a uma doença específica.
  • OBSTRUÇÃO INTESTINAL : a dor de estômago causada por um bloqueio intestinal, que normalmente acentua ainda mais a palpação, é acompanhada por outros sintomas secundários, como febre, náuseas, vômitos, diarréia, cólicas abdominais e dor abdominal intensa. Esta forma de dor abdominal patológica requer intervenção médica oportuna, para evitar a necrose (morte) dos tecidos intestinais, que podem penetrar e peritonite.
  • PANCREATITE (inflamação do pâncreas): mais do que com uma dor abdominal, a pancreatite começa com dor abdominal violenta, no local onde a glândula pancreática está localizada. No entanto, a dor abdominal não permanece localizada no nível gástrico, mas tende a se estender ainda mais (na área da barriga) e ao longo das costas. A dor abdominal tende a se acentuar após as refeições e com respirações profundas.
  • SÍNDROME DO COLO IRRITÁVEL : a dor no estômago tem uma conotação típica da cólica e é acompanhada por sintomas como aerofagia, meteorismo, flatulência, fezes endurecidas, mucorréia e tenesmo retal.
  • CANCRO DA COLUNA, câncer de pâncreas, neoplasia do fígado, etc .: A barriga dependente de tumor geralmente não se manifesta na forma aguda e a dor não é particularmente agressiva. Os tumores são patologias infecciosas e terríveis, que nem sempre manifestam seus sintomas, especialmente em um estágio inicial. A dor oncológica da barriga - que (apontamos) pode ou não aparecer - é uma dor generalizada e crônica, que pode ser intermitente ou constante, e é improvável que conduza imediatamente ao câncer em curso. A terapia deve ser destinada a eliminar a massa tumoral: no caso de um prognóstico positivo, a dor no estômago desaparece completamente.

A gastrite também pode causar dor abdominal: neste caso, porém, mais do que a dor de estômago, seria apropriado falar de dor de estômago, já que a gastrite é uma inflamação da mucosa gástrica.

Interpretar a dor abdominal

É essencial saber distinguir uma pequena dor de barriga de uma variante patológica. Por esse motivo, é essencial reconhecer quais sinais de espionagem exigem intervenção médica imediata. Infelizmente, as duas formas de dor abdominal (comuns e patológicas) nem sempre podem ser diferenciadas de forma simples, uma vez que as causas são muito variáveis. De acordo com isso, é bem compreendido que uma investigação investigativa em profundidade é necessária por meio de testes diagnósticos específicos (por exemplo, exames de sangue, radiografias, análise de fezes e urina, etc.).

Um único episódio de dor abdominal, bem como uma dor abdominal que ocorra pontualmente perto do ciclo menstrual ou após uma refeição particularmente abundante, não deve ser alarmado e deve ser interpretado como um fenômeno passageiro e completamente reversível.

Considerando que uma dor abdominal é um distúrbio multifacetado, relatamos alguns exemplos gerais, úteis para direcionar o paciente para um diagnóstico inicial e aproximado. Ressaltamos, no entanto, que a opinião do médico ainda é essencial.

  • Caso 1: a dor de barriga é generalizada (não é possível identificar o ponto exato de onde se origina), flanqueada por diarréia e vômito → dor típica dependente de infecções virais gastrointestinais, indigestão ou consumo de alimentos deteriorados
  • Caso 2: a dor de estômago é espástica / cãibra e o paciente acusa constipação e distensão abdominal → dor de estômago típica dependente de obstrução intestinal
  • Caso 3: a dor de estômago é suportável, mas acompanhada por flatulência, meteorismo e / ou diarreia → provavelmente, a origem de uma dor de estômago depende de uma refeição particularmente abundante ou a introdução de alimentos aos quais você é intolerante
  • Caso 4: Uma dor abdominal é grave e bem localizada em uma área específica do abdome → dor de estômago pode ser uma luz de advertência de apendicite, cálculos biliares ou cálculos biliares
  • Caso 5: uma dor abdominal ocorre durante o ciclo e é efetivamente aliviada com analgésicos ou remédios naturais → uma dor abdominal é um sintoma típico de dismenorreia
  • Caso 6: a dor de estômago é intermitente e acompanhada de cólica. De repente aparece, então progressivamente regride → dor de estômago depende de cólica renal ou biliar

Recomendado

Sintomas da doença de Whipple
2019
Sintomas de herpes simplex
2019
Rinazine ® Nafazolin
2019