Pimenta em Fitoterapia: Propriedades de Peperoncino

Nome Científico

Capsicum frutescens

família

Solanaceae

origem

Índia e regiões tropicais

sinônimos

Capsicum, pimenta, pimenta caiena

Peças Usadas

A droga consiste nos frutos maduros secos (Farmacopéia Oficial)

Constituintes químicos

  • Capsaicinoides (capsaicina);
  • aminoácidos;
  • Ácidos graxos;
  • Proteína.

Pimenta em Fitoterapia: Propriedades de Peperoncino

O capsicum é usado em fitoterapia pela sua atividade vasodilatadora local (para irritação da pele e membranas mucosas) e anti-dor.

O componente ativo da planta é a capsaicina e o efeito antálgico é devido à capacidade de interferir com os nervos sensoriais cutâneos na transmissão do estímulo doloroso.

Atividade biológica

As propriedades analgésicas são atribuídas à pimenta e, mais precisamente, à capsaicina. Estas propriedades foram confirmadas por vários estudos clínicos, de modo que o uso de drogas contendo capsaicina foi oficialmente aprovado para o tratamento da dor, em particular do tipo neuropático.

A eficácia da capsaicina reside no seu mecanismo singular de ação. Essa molécula, de fato, é capaz de se ligar a um receptor particular presente nos nervos sensoriais: o receptor vanilóide 1 (ou TRPV1). Este receptor é um canal iônico que, uma vez ativado, se abre, favorecendo a entrada de íons de cálcio na célula nervosa. Esse fluxo, por sua vez, promove a liberação da substância P (uma substância implicada no início da dor e na termorregulação) dos neurônios sensoriais envolvidos na transmissão de estímulos nociceptivos. No entanto, a ligação da capsaicina a esses receptores - após uma excitação inicial e intensa (que causa a sensação clássica de queimação percebida ao usar pimenta) - tende a dessensibilizá-los, causando um esgotamento da substância P dos neurônios sensoriais já mencionados, portanto, determinando um efeito analgésico.

Além disso, potenciais propriedades antibacterianas foram investigadas em capsaicina. De fato, alguns estudos mostraram que a capsaicina é capaz de exercer uma ação antimicrobiana contra o Helicobacter pylori, o que poderia torná-lo um aliado potencial no difícil caminho da erradicação desse surto por pacientes que sofrem de úlcera péptica ou gastrite. crónica. No entanto, este uso terapêutico de capsaicina ainda não foi aprovado (para informações mais detalhadas sobre isso, consulte o artigo dedicado ao "Combate Helicobacter pylori com pimentão").

Pimenta contra a dor neuropática e reumatismo

Como dito acima, o pimentão pode ser uma ajuda valiosa no tratamento da dor neuropática e, em alguns casos, também reumatismo, graças à capsaicina contida e à ação que exerce sobre os nervos sensoriais.

Para o tratamento desses distúrbios, a pimenta deve ser usada apenas externamente. Quando usado na forma de creme (padronizado para 0, 25% ou 0, 75% em capsaicina), geralmente é recomendado aplicar o produto na área da pele afetada, no máximo, três vezes ao dia.

Pimenta na medicina popular e na homeopatia

Na medicina popular, o chili é usado externamente para o tratamento da dor lombar crônica e para gargarejar contra a rouquidão e dor de garganta. Internamente, no entanto, o pimentão é usado na medicina tradicional para tratar distúrbios gastrointestinais e combater o enjôo, bem como um remédio preventivo contra a aterosclerose e outros distúrbios cardiovasculares.

A pimenta também é usada pela homeopatia, na qual é usada como remédio para dor nas articulações, osteoartrite, inflamação da cavidade orofaríngea, infecções do ouvido médio e contra algumas desordens da pele, como o eczema.

Pimenta - efeitos colaterais

Depois de tomar pimenta, você pode sentir sonolência ou sedação excessiva.

Contra-indicações

Evitar o contato com os olhos e pele inflamada ou danificada; evite banhos quentes ou chuveiros antes e depois da aplicação de capsaicina, pois eles podem aumentar a sensação de queimação; evitar a ingestão de pimenta vermelha em caso de hipersensibilidade a um ou mais componentes.

O uso de preparados à base de pimenta e / ou capsaicina geralmente não é recomendado durante a gravidez e lactação. No entanto, é sempre bom pedir conselhos preventivos de um médico.

Interações farmacológicas

  • aumenta a absorção de teofilina;
  • reduz o dano gástrico da aspirina;
  • o consumo agudo de pimenta aumenta o tempo de sono;
  • o uso de cremes à base de capsaicina pode predispor a tosse durante o uso de inibidores da ECA.

Recomendado

Doenças Cardiovasculares
2019
Celulite: causas de origem e evolução
2019
Acne - causas e sintomas
2019