Aracnofobia - terapias psicológicas

Aracnofobia e interpretação

Se a aracnofobia em si mesmo teme a aranha, o medo pode ser facilmente transformado em verdadeira obsessão quando o animal é enfatizado, e a fobia amplificada imensamente pela mídia e crenças e lendas populares que, para eles, não têm base não.

Em simbologia, a aranha é definida como uma criatura ambivalente imprevisível, bizarra, na qual tanto o bem quanto o mal reinam na mesma besta.

Com toda a probabilidade, a aracnofobia é excessivamente exagerada por algumas culturas: de acordo com o que emerge de uma antiga crença - ainda considerada - a alma pode entrar e sair da boca durante o sono sob o disfarce da aranha.

Na arte, algumas pinturas retratam aranhas gigantes com o rosto de uma mulher: vimos antes que a figura da aranha está de alguma forma relacionada à vida (ato de criação). Nesse sentido, a mulher-aranha simboliza dois significados opostos: o humano e o animal, a beleza e a monstruosidade, o real e o imaginário.

Para outros autores, a aracnofobia expressa a alegoria da alienação de si mesmo em relação ao mundo; para outros, o medo das aranhas é uma simples tentativa de remover inadvertidamente certos comportamentos - inconscientemente supostamente errados - do ego de alguém.

Terapias psicológicas

Como vimos, a aracnofobia colhe um grande número de vítimas. No entanto, como todas as fobias e doenças de natureza psicológica, a terapia é possível. Dado que para muitos autores o medo de aranhas é classificado como uma "fobia simples" (classificação feita certamente por pessoas não aracnofóbicas), não há tratamentos farmacológicos direcionados, reconhecidos e legítimos.

Comum é a chamada exposição in vivo, terapia comportamental consistindo em contato próximo da aranha aracnofóbica: o tratamento, primeiro puramente psicológico e depois também realizado no nível prático, deve ser realizado passo a passo, a fim de arrastar o paciente até o limite de obsessão, tocando com as mãos o aracnídeo que, zombando, fixa a vítima.

Em geral, a terapia começa submetendo as aracnofóbicas a questões direcionadas sobre o seu medo, a fim de extrapolar as razões que o induziram: na maioria das vezes, o paciente não é capaz de dar uma explicação precisa e segura para o seu medo. aracnofobia.

A próxima fase da terapia consiste em apresentar fotografias de aranhas aos aracnofóbicos; as sessões continuam mostrando aranhas verdadeiras, que as separam do assunto graças a um copo. A última fase, o mais alto nível de "perigo" para os aracnofóbicos, assim como o mais temido, é tocar diretamente as aranhas.

Geralmente, a cura dá bons resultados por um curto período de tempo, por isso as terapias "recordativas" são recomendadas para evitar novas recaídas.

Outros autores parecem preferir outros métodos chamados "choque", consistindo na exposição súbita da aranha à vítima aracnofóbica.

reflexões

Sem dúvida, um paradoxo irracional, aracnofobia: a consciência e o intelecto não são mais capazes de administrar o objeto fóbico. O problema em si não é representado pelo medo das aranhas: a aranha, como já foi explicado várias vezes, é apenas um estratagema, uma simples brecha para a qual derramar ansiedade e angústia inconsciente. Se a aranha era uma caixa cheia de medos, preocupações e ansiedades, a aracnofobia temeria a caixa de qualquer forma: o problema é que o invólucro em si não cria medo, não provoca dano, mas é o conteúdo que gera obsessão. A caixa é aparência: não devemos parar nas aparências, devemos cavar mais fundo, tentando encontrar o motivo em torno do qual tudo gira.

Alguns especialistas no assunto estão convencidos de que a aracnofobia tem raízes profundas na infância, a "tenra idade", um período da vida em que a força mental ainda não está consolidada e estável. Os medos vistos com os olhos de uma criança são ampliados e enfatizados: a conseqüência inevitável é a absoluta incapacidade de dominá-la, gerando uma sensação de angústia permanente e incontrolável. É neste exato momento que na cabeça do pequeno aracnofóbico surge um mecanismo involuntário involuntariamente, que consiste em deixar a responsabilidade da angústia cair diretamente na aranha.

Se você não recorrer a terapias psicológicas, a aracnofobia, inexplicavelmente, permanece um pesadelo que acompanha os infelizes ao longo da vida.

Pensar que um antigo provérbio inglês diz: Se você quer amor e sucesso

deixe uma aranha correr viva.

Eu me pergunto se os aracnofobicos concordam ...

Recomendado

Antibióticos: efeitos colaterais e contra-indicações
2019
O coração
2019
Infecções vaginais
2019