TÉCNICA EXECUTIVA DO EMPURRAR

Testes de flexão

nos braços

Vídeo sobre as variantes dos clássicos

curvando-se sobre os braços

Push-up: técnica

executivo

Artigo retirado do livro:

CEM FUNCIONAL PUSH UP

100 maneiras de fazer as curvas dos membros superiores de forma funcional.

Manual ilustrado para profissionais de fitness e personal trainers

AUTOR: Nicolò Ragalmuto

Editora: NonSoloFitness editrice

A flexão é um exercício corporal de longa data usado para fortalecer os membros superiores.

Ao contrário do que pode parecer, este exercício não afeta apenas os membros superiores, mas afeta quase toda a musculatura do corpo.

De fato, se por um lado os membros superiores trabalham de forma dinâmica (principalmente os músculos dos braços, ombros e tórax e, em menor grau, os das costas e antebraços), há outros músculos que funcionam como estabilizadores e, portanto, são ativados forma isométrica (estática).

Esses estabilizadores são representados por todos os músculos que compõem o tronco e a pelve.

Quando você tem uma excelente sinergia entre esses músculos, você pode ter um bom controle do seu corpo; portanto é mais fácil manter o equilíbrio certo sem criar desequilíbrios e, portanto, ao realizar o push-up, independentemente do movimento dos membros superiores, o tronco e a pélvis sempre permanecem na mesma posição de equilíbrio adequado, respeitando as curvas compõem a coluna vertebral (Fig. 1 e Fig. 2).

Por outro lado, quando os músculos das costas, paravertebrais, o quadrado dos lombos e do quadril são hipotônicos e, portanto, não são muito bem treinados, a posição tomada para realizar os resultados de flexão com a pelve é muito alta (fig. 3).

Ao realizar o push-up com esse tipo de postura, é mais fácil criar danos ao próprio organismo do que benefícios, já que se trabalha em uma situação de desequilíbrio onde as forças dependem do trato lumbo-sacro.

O mesmo é verdadeiro mesmo quando a musculatura abdominal está hipotônica e a posição tomada para realizar os resultados de flexão com a pelve muito baixa (Fig. 4).

Aqui a posição tomada é de uma atitude de hiperlordose lombar que também é muito prejudicial para a coluna vertebral.

Esses dois erros executivos são muitos freqüentes nos sujeitos não treinados, mas são igualmente freqüentes nos treinados.

Por exemplo, aqueles que treinam única e exclusivamente com máquinas isotônicas não têm um bom controle de seus estabilizadores, já que eles nunca são ativados por causa do trabalho que é ligado e exclui as habilidades de coordenação neuromotora.

Além disso, essas duas posições podem ser tomadas mesmo quando os músculos dos membros superiores são deficientes e, mesmo que o indivíduo tenha um bom controle de seus estabilizadores, ele assume a posição errada como compensação por essa hipotonia.

Para evitar isso, o exercício pode ser realizado colocando os joelhos no chão (Fig. 5 e Fig. 6), de tal forma que as forças no tronco são menores por causa da alavanca que - sendo menor - menos é nos membros superiores que no tronco, garantindo maior estabilidade.

A execução correta, portanto, é com as mãos apoiadas no chão, com uma largura levemente mais alta que os ombros, com os pés apoiados no chão, com os membros inferiores ligeiramente separados um do outro, tronco, nuca e pélvis na mesma linha, olhando para o chão no meio das mãos (Figs. 7 e Fig. 8).

Recomendado

Sintomas da doença de Whipple
2019
Sintomas de herpes simplex
2019
Rinazine ® Nafazolin
2019