Patologia Respiratória no Ciclista

Curado por Luigi Ferritto (1)

introdução

O ciclista engaja de maneira significativa e constante o sistema respiratório, na função peculiar de maior suprimento de oxigênio e remoção do dióxido de carbono produzido pelo aumento da atividade muscular.

As patologias do sistema respiratório mais freqüentemente observadas em ciclistas são infecções agudas e crônicas de origem viral ou bacteriana, e asma brônquica de exercício físico.

Doenças Infecciosas

causas

Um papel decisivo no aparecimento de infecções respiratórias é a diminuição das defesas imunitárias.

Sabe-se há mais de um século que os linfócitos são ativados no sangue antes e depois do exercício; no entanto, a concentração de linfócitos é bastante reduzida no final do esforço. Na fase pós-exercício há, portanto, um declínio generalizado na atividade do sistema imunológico; Esse fenômeno, chamado "janela aberta", é detectável em diferentes condições de estresse físico, como uma intensa sessão de treinamento ou uma competição.

Durante a fase de "janela aberta", o sujeito está particularmente exposto ao risco de infecções. Para um ciclista é fácil imaginar como esta fase corresponde a um momento em que a possibilidade de contato com patógenos é particularmente alta: imediatamente após uma competição, de fato, o abraço dos torcedores, a permanência na hospitalidade junto com outras pessoas, o vapor de água os chuveiros e o ar condicionado dos cômodos ou meios de transporte representam um veículo ideal para a transmissão de agentes infecciosos.

Uma deficiência transitória da função imunológica aumenta o risco de contrair infecções respiratórias, especialmente de origem viral.

Os sintomas

As manifestações geralmente consistem em sintomas locais, como congestão nasal, faringodinia, rinorréia e sintomas sistêmicos, como temperatura febril, cefaléia, astenia e miartralgia. Essas infecções, geralmente limitadas a estruturas supra-arariais, também podem afetar a estrutura pulmonar, com o surgimento de traqueíte e / ou traqueobronquite.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico é dado pelo exame clínico: a traqueíte raramente apresenta sinais objetivos, enquanto a bronquite pode ser caracterizada por escarro mucopurulento e ruídos patológicos comuns à ascensão, como roncos, estertores e assobios.

A terapia é sintomática, com recurso ao tratamento antibiótico apenas em casos de bronquite com expectoração purulenta. Para evitar complicações, recomenda-se uma breve pausa na atividade esportiva por 2 ou 3 dias.

Asma do estresse

A asma brônquica, considerada uma inflamação obstrutiva reversível das vias aéreas, é uma patologia caracterizada pela hiper-reatividade brônquica, que pode ser induzida ou agravada pela atividade física.

causas

O exercício de endurance, como o ciclismo, pode causar um aumento mais ou menos acentuado da resistência das vias aéreas, resultando em dificuldade na intensidade da respiração e duração variável.

Em atletas predispostos, o aumento da freqüência de respiração (hiperpnéia) durante o exercício é o gatilho para o início do broncoespasmo (redução do volume de bronquíolos respiratórios). A hiperpneia induz um resfriamento da mucosa brônquica, que por sua vez determina uma vasoconstrição inicial dos capilares peribronquiais; durante a pausa, por outro lado, há uma hiperalburacação sanguínea nesses vasos, com hiperemia e edema da mucosa e consequente estreitamento da luz brônquica.

Como resultado, quanto maior o nível de ventilação exigido pela atividade esportiva, maior o risco de broncoespasmo; Como um fator essencial, é claro, sempre há hiper-reatividade brônquica induzida por inflamação crônica.

Fatores favoráveis ​​são as condições climáticas e ambientais; por exemplo, o ar mais frio é mais frio e seco, maior o risco de broncoespasmo. Também a presença de poluentes ou alérgenos pode favorecer a constrição brônquica.

prevenção

Hoje, ciclistas e atletas geralmente tendem a subestimar alguns sintomas, em vez de merecer atenção para o risco de doença respiratória crônica. Muitas vezes, por exemplo, uma gripe comum acompanhada de dor de garganta e febre é negligenciada pelo atleta, que retorna à sela com o sistema imunológico ainda comprometido em combater a infecção viral, expondo-se ao risco de se sobrepor a uma infecção. bacteriana.

Prevenir as doenças do sistema respiratório é simples, basta seguir alguns passos simples:

  • quando está frio lá fora, saia para um exercício bem coberto, com equipamento técnico adequado:
  • sofredores de alergia devem consultar o sistema de saúde para recorrer a medicamentos específicos;
  • aqueles que treinam durante o inverno devem prestar atenção à chegada da primavera, quando eles têm que deixar as jaquetas pesadas; de fato, nesta época do ano há o maior risco de infecção viral;
  • se você tiver uma influência, suspenda a atividade e a retome somente quando estiver clinicamente curado
  • se a tosse persistir, consulte o seu médico
  • beba muitos líquidos durante esportes
  • a vacinação é recomendada para aqueles indivíduos que, durante o período de inverno-primavera, ficam doentes, com febre alta e complicações respiratórias
  • Recomenda-se tomar uma preparação multivitamínico.

É melhor prevenir do que remediar, de modo que os ciclistas e os atletas geralmente precisam saber o que estão fazendo se ultrapassarem o limite, pedindo muito de seu corpo.

A máquina humana vive em perfeito equilíbrio; se esperamos que mais o sistema imunológico diminua sua função protetora, tornando o corpo mais vulnerável a infecções.

Para correspondência: Dott Luigi Ferritto

Departamento de Medicina Interna Unidade de Fisiopatologia Clínica Respiratória "Athena" Villa dei Pini

Piedimonte Matese (CE)

Recomendado

Antibióticos: efeitos colaterais e contra-indicações
2019
O coração
2019
Infecções vaginais
2019