epiphysis

A epífise é uma pequena glândula endócrina localizada no centro da caixa craniana, onde forma uma grande parte do epitélio. Também conhecida como a glândula pineal (devido à forma que traça aproximadamente a de uma pinha), a epífise é responsável pela síntese e secreção de um hormônio chamado melatonina.

Do ponto de vista anatômico, a epífise é coberta por uma cápsula de tecido conjuntivo, consistindo no mesmo tecido conjuntivo da pia-máter. Dentro da glândula podemos reconhecer um parênquima que consiste em dois tipos de células principais: uma rede densa de células intersticiais que suportam células endócrinas chamadas pinealócitos (ou células principais), que sintetizam a melatonina.

Apesar do pequeno tamanho (diâmetro de cerca de 8mm) e do peso desprezível (0, 1g), a epífise está longe de ser uma estrutura supérflua, como foi descrita há algumas décadas; De fato, a melatonina é um hormônio essencial na regulação do ciclo de sono-vigília.

A glândula pineal ou epifisária também tem um efeito inibitório no eixo pituitário-gonadal; Não é por acaso que se a sua remoção ou ablação cirúrgica é realizada no período pré-puberal, ocorre um aparecimento precoce da puberdade, enquanto que quando é realizado na idade adulta é acompanhado, especialmente no homem, por hipergonadismo. Este efeito é mais pronunciado em animais que apresentam uma estação reprodutiva no período em que o dia é mais longo (portanto, como veremos, a secreção de melatonina é mínima).

A melatonina também parece influenciar os níveis de leptina, GH e provavelmente de muitos outros hormônios, pois além de regular os ritmos circadianos (diários), também ajuda a modular os ritmos sazonais. Como se isso não bastasse, a glândula pineal é ricamente vascularizada, com um relativo fluxo sangüíneo que perde apenas para o renal.

A melatonina também exerce um efeito estimulante importante no sistema imunológico.

Este hormônio não deve ser confundido com melanina, um pigmento dérmico que dá tons escuros à pele, cabelos e olhos; na realidade, mesmo se apenas em anfíbios, a melatonina tem efeitos opostos no nível cutâneo em comparação com a melanina.

Em mamíferos, incluindo humanos, a melatonina é produzida por pinealócitos (células da epífise responsáveis ​​por esta síntese), a partir do aminoácido triptofano, que é convertido em serotonina, depois em acetilserotonina e finalmente em melatonina. A atividade desta enzima aumenta à noite e diminui durante o dia; Como conseqüência, a secreção de melatonina é estimulada pelo escuro e inibida pela luz. Estudos recentes indicam que a produção de melatonina pela epífise também muda em relação a mudanças no campo magnético da Terra.

Amplo e ainda em evolução é o uso terapêutico da melatonina, dadas as suas propriedades hipnóticas (induz o sono), antidepressivos (melhora os distúrbios do humor), neuroprotetores e antioxidantes (tanto a melatonina como os seus metabolitos são capazes de neutralizar espécies reativas de oxigênio e nitrogênio).

A epífise já foi considerada inútil, devido aos inúmeros pontos de calcificação encontrados no seu interior. Hoje sabemos que o processo de calcificação da glândula começa durante a puberdade e continua até a idade adulta e velhice, diminuindo gradualmente sua eficácia.

Recomendado

Sintomas da doença de Whipple
2019
Sintomas de herpes simplex
2019
Rinazine ® Nafazolin
2019